Após levar Cabral algemado, PF diz que ‘não faz distinção entre custodiados pelo status’

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Após o juiz federal Sérgio Moro intimar a Polícia Federal (PF) a esclarecer os motivos pelos quais o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral foi levado algemado e acorrentado ao Instituto Médico-Legal de Curitiba, a PF declarou que a ação foi necessária para garantir a segurança da operação.

“Não é excesso salientar que este núcleo de operações não procura humilhar qualquer preso ou agir de forma abusiva. Pautamos nossa atuação em dados técnicos visando sempre à segurança do preso, da equipe e de terceiros”, informou a PF.

De acordo com a Agência Brasil, Sérgio Moro havia acatado na última semana um pedido do Ministério Público Federal (MPF) de transferência de Cabral para o Complexo Médico-Penal de Pinhais por conta de uma possível existência de regalias ao ex-governador em um presídio no Rio de Janeiro. A PF afirmou que o procedimento já ocorreu em casos similares.

“Não fazendo distinção entre custodiados tendo em vista seu poder econômico ou status social”. Além disso, o órgão de segurança declarou que o uso de algemas também foi justificado pela presença da imprensa durante a transferência de presídio. “[Repórteres fizeram] perguntas que poderiam desencadear em agressão”. Para os advogados de Cabral, o uso de algemas foi classificado como “espetáculo”.

Veja também: