Bahia é líder em hectares plantados no setor florestal

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

A Associação Baiana das Empresas de Base Florestal (Abaf) divulgou nesta quarta, em almoço para imprensa e parceiros em Salvador, o relatório Bahia Florestal 2017, com os principais dados do setor que mostram o panorama completo da cadeia produtiva de base florestal no estado, líder nacional em hectares plantados principalmente com eucalipto, com 647,8 hectares. O documento foi feito com a cooperação das empresas (e associações de produtores) associadas à Abaf e teve dados compilados pela SCP Engenharia de Projetos.

A Bahia possui uma expressiva importância e participação no setor de base florestal nacional, incluindo 32,3 mil hectares plantados com seringueira, que alimentam a indústria da borracha (látex). Os plantios florestais estão concentrados nas regiões sul e extremo sul, litoral norte, oeste e sudoeste da Bahia.

Segundo a Abaf, o estado possui condições adequadas e favoráveis ao desenvolvimento florestal, como clima, relevo, temperatura, umidade do ar, tipo de solo, vento e precipitação pluvial, além da elevada tecnologia empregada. Esses fatores contribuem para os expressivos indicadores estaduais de produtividade florestal. A média nacional de produtividade florestal para o eucalipto é de 36 metros cúbicos por hectare no ano. Na Bahia, a produtividade florestal média aos sete anos é de 34 m³/ha/ano e em determinadas regiões ultrapassa 45 m³/ha/ano.

Exportações

O diretor-executivo da Abaf, Wilson Andrade, fez uma ampla explanação, mostrando os números do setor e evidenciando que o Brasil ainda tem papel muito modesto na exportação mundial. Enquanto os demais produtores mundiais exportam US$ 250 bilhões, o país exporta apenas US$ 8 bilhões (3%). Ele destacou a importância de a cadeia produtiva que utiliza a madeira reflorestada priorizar a compra do produto baiano, a exemplo da construção civil, da indústria de papel e celulose, a metalúrgica, energia de biomassa, a secagem de grãos do agronegócio, madeira e móveis, entre outros.

Energia

Andrade destacou que a energia produzida através da madeira reflorestada na forma de pellets (material exportado para todo o mundo) pode ser considerada uma das mais limpas do planeta, embora o material seja utilizado para queima em indústrias e em caldeiras domésticas na Europa.

“No processo de crescimento do eucalipto, que dura cerca de oito anos, o vegetal absorve todo o carbono que será produzido na sua queima”, explicou.

Para Sebastião Andrade, presidente da Abaf, “a indústria da árvore plantada representa o futuro, porque é a base do atendimento do suprimento de matérias-primas renováveis, recicláveis e amigáveis ao meio ambiente, à biodiversidade e à sustentabilidade da vida humana”.

Setor

A Bahia possui 730,5 mil hectares de florestas certificadas (entre áreas de produção e de remanescentes nativos) voluntariamente pelas empresas. De acordo com a Abaf, esta área evidencia a adesão das empresas do setor à preocupação mundial de diferenciação e valorização de produtos originados de florestas manejadas de forma sustentável e responsável. Dados de 2016 evidenciam que 64% da área plantada no estado está certificada com selos FSC e/ou Cerflor. O estado abriga atualmente 636 empresas diretamente ligadas ao setor.

Estima-se que a arrecadação tributária do setor florestal-industrial para a Bahia em 2016 foi de R$ 2,69 bilhões, o que representa contribuição de 3,2% no total arrecadado pelo estado.

Responsável por 19% do total das exportações gerais do estado, o setor de produtos de base florestal é o principal da economia baiana quanto ao recebimento de divisas (exportações), sendo a China o principal destino comercial.

Veja também: