Corpo de líder do MST, assassinado na frente do filho, será sepultado nesta sexta

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Familiares, amigos e colegas de militância participam, nesta sexta-feira, 26, às 10h, no cemitério Parque da Cidade, em Vitória da Conquista, do sepultamento do corpo de Márcio Oliveira Matos, 33 anos.

Ele foi morto a tiros na noite da última quarta-feira, na presença do filho de 6 anos, na casa da família que fica no assentamento Boa Sorte Una, zona rural de Iramaia (a 328 km de Salvador).

O assassinato é investigado pela Polícia Civil e, de acordo com o coordenador da 9ª Coorpin, de Jequié, delegado Fabiano Aurich, já foram ouvidos os funcionários da fazenda. Entretanto, a polícia ainda não havia identificado autores e a motivação para o crime.

Algumas horas antes de morrer, ele postou mensagens nas redes sociais, após a condenação do ex-presidente Lula, conclamando seus companheiros a continuar acreditando nos ideais do partido. “Vamos lutar em defesa da democracia em todas as instâncias, na Justiça e, principalmente, nas ruas”, registrou.

A morte do ex-dirigente nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), militante do Partido dos Trabalhadores e secretário de Administração de Itaetê causou grande comoção, não só na região, mas em todo estado e no Brasil.

Em nota divulgada pelas redes sociais, o governador Rui Costa disse que Márcio Matos, mais conhecido como Marcinho do MST, é reconhecido pela firme luta em defesa da igualdade social. “Determinei à Secretaria de Segurança Pública a imediata e rigorosa apuração do crime”, afirmou. O prefeito de Itaetê, Valdes Brito, lamentou a morte do secretário e amigo, além de decretar luto oficial por três dias.

Ideologia

O político era filho do ex-prefeito de Vitória da Conquista na década de 1970, Jadiel Matos, e integrava a ala Esquerda Popular Socialista no PT. “Ele acreditava na capacidade de organização e mobilização do povo. Muitas das conquistas que tivemos tiveram Marcinho como um dos idealizadores”, afirmou o deputado federal Walmir Assunção (PT), destacando que perdeu um grande amigo.

De acordo com nota da coordenação nacional do MST, “a morte de Márcio Matos se soma a um triste cenário de violência contra os trabalhadores e trabalhadoras do campo”. Para o MST, “este é um momento de luto e de luta. Não permitiremos que esta morte passe impune e daremos continuidade ao que foi travado por ele”.

A superintendência regional do Incra na Bahia lastimou a morte do líder do MST e notificou a Ouvidoria Agrária Nacional e a coordenação do Grupo Especial de Mediação e Acompanhamento de Conflitos Agrários e Urbanos (Gemacau), cobrando a punição dos responsáveis pelo crime.

Veja também: