Criança é mordida por cão contaminado com raiva em Feira de Santana

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

O Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de Feira de Santana realizou uma campanha que vacinou 68 cães e gatos. A ação, foi feita depois que o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen) confirmou, na segunda (11), a positividade da amostra de raiva em um cão que mordeu e contaminou uma criança em novembro deste ano. O Lacen afirmou ao Acorda Cidade que este é o primeiro caso da doença em Feira no período de 14 anos.

“O último caso de raiva canina havia sido em 2004. Era um cão domiciliar, que era vacinado pela proprietária”, informou Mirza Cordeiro, coordenadora do Centro de Zoonoses (CCZ), que ainda indicou que a contaminação inicial se deu possivelmente através da mordida de um morcego. A criança mordida é residente no bairro Baraúnas e está recebendo acompanhamento médico no Centro de Saúde Especializado (CSE) Dr. Leone Coelho Leda e no Hospital Estadual da Criança (HEC). O acidente aconteceu no dia 4 de novembro. Dois dias depois a vítima foi levada para o CSE, onde recebeu a primeira dose da vacina antirrábica e desde então recebeu outras três doses da vacina, além de soro antirrábico.

No dia 10 de novembro, a família do menor informou o óbito do animal, que foi recolhido ao Centro Municipal de Controle de Zoonoses. No mesmo dia foram coletadas amostras do seu tecido nervoso, o que confirmou a ocorrência da doença pelo Lacen. Além da vacinação de cães e gatos no raio de 5 km a partir do local onde ocorreu o caso, o CCZ está trabalhando na identificação de possíveis colônias de morcegos na região. Em caso de mordida de cachorro ou gato, o Ministério da Saúde recomenda que as pessoas procurem logo um posto de saúde para tomar a vacina contra a raiva. São aplicadas até cinco doses, dependendo do caso. Os sintomas da doença em humanos  incluem febre, dor de cabeça, salivação excessiva, espasmos musculares, paralisia e confusão mental.

Histórico no estado
último caso de morte por raiva humana registrada no estado ocorreu, de acordo com a Sesab, em março deste ano em Salvador. A vítima foi um lavrador, de 46 anos, morador de Paramirim que morreu no Hospital Couto Maia depois que foi mordido por um morcego. A Sesab diz que ele procurou atendimento mais de 20 dias e morreu quatro dias depois de ser internado. Antes disso, a última morte havia sido em julho de 2004.

Saiba mais sobre a doença
O que é: é uma doença transmitida ao homem pelo vírus da raiva, contido na saliva de animais infectados, principalmente por meio de mordidas. No Brasil, é mais comum que a doença seja transmitida por cães e gatos.

Sintomas: os sintomas são os mesmos de uma encefalite, como alterações de comportamento, sensação de angústia, cefaléia, pequena elevação de temperatura, mal-estar e alterações sensoriais. Em estágio avançado, o paciente pode ter hidrofobia (intolerância a água) e aerofobia

Precaução: A vacina antirrábica está disponível gratuitamente na rede pública de saúde. Caso seja atacado por algum animal que seja potencial transmissor da doença, como morcego, cães ou gatos, se deve procurar um atendimento médico de imediato, já que o período de incubação da doença pode chegar a 6 anos, até que os sintomas apareçam.

Fonte: Infectologista Nanci Silva e Ministério da Saúde

Veja também: