Ex-assessor dos Vieira Lima mostra novas provas de devolução de salário

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Job Ribeiro Brandão, ex-assessor do deputado federal Lúcio Vieira Lima (PMDB), entregou ao Supremo Tribunal Federal (STF) cópias dos extratos de sua conta bancária que, segundo ele, confirmam a devolução de cerca de 80% do seu salário para a família de Geddel Vieira Lima.

Em petição assinada por seu advogado Marcelo Ferreira, o ex-homem de confiança da família dos peemedebistas anexou extratos da movimentação financeira de sua conta no período entre janeiro de 2012 e novembro de 2017.

“O declarante acrescenta que realizou diversos saques bancários para cumprir a determinação de devolução mensal, em dinheiro vivo, da maior parte do que recebia, à dona Marluce Quadros Vieira Lima.(…) A dinâmica das movimentações bancárias é caracterizada por saques sucessivos e habituais na boca do caixa, de forma e quantidade incomum, com o aparente propósito de burlar os mecanismos de identificação de pagamento e recebimento de vantagens indevidas”, diz o documento.

 

Segundo o Estadão, os recibos mostram que Job realizava diversos saques dias após o salário ser depositado.

Por exemplo, no dia 21 de março de 2012 a conta recebe o crédito de R$ 7 mil. Nos dias 22, 23, 26, 27, 28 e 29 são registrados, segundo o extrato anexado à petição, saques diários no valor de R$ 1 mil. Por fim, no dia 30 do mesmo mês, outros R$ 990 são sacados. Para o advogado Marcelo Ferreira, a dinâmica de saques em espécie confirma que o ex-assessor “sempre devolveu a maior parte de seu salário à família Vieira Lima”.

O ex-assessor apresentou ainda documentos que mostram transferências que foram feitas diretamente para o pai de Lúcio e Geddel, o ex-deputado Afrísio Vieira Lima. No total, os repasses para o patriarca somam R$ 5,8 mil.

O advogado Gamil Föppel, que representa a família Vieira Lima, disse que não irá comentar a petição protocolada no STF, uma vez que não teve acesso ao documento.

PUBLICIDADE

Veja também: