Glória Maria: ‘Os homens negros preferem as brancas’

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Glória Maria deu uma entrevista especial pelo Dia da Nacional da Consciência Negra à colunista Lu Lacerda, do portal IG. Na conversa, publicada neste domingo (19), a jornalista, que foi a primeira repórter negra na televisão no país, respondeu a 10 perguntas sobre racismo. “Já vivenciei todas as caras do racismo na minha vida”, afirmou.

Sobre as dificuldades que um negro enfrenta para se realizar profissionalmente, Glória Maria lembra: “Quando comecei a apresentar o Fantástico, em 1998, muita gente fez movimento, dizendo que foi por pressão do movimento negro, e não pelo meu talento e minha capacidade. Se um branco faz, é porque conquistou; ninguém diz que foi pressão da sociedade branca. A primeira vez que o Eraldo Pereira assumiu a bancada do Jornal Nacional, virou algo extraordinário: ‘como um negro apresentando o JN?’. Significa pro mundo que não era natural, tanto que tinha de se justificar, como se fosse o primeiro homem a chegar à lua. Comigo, às vezes, se passa também de maneira diferente – vão pensar duas vezes, são racistas, ou seja, burras, mas não são idiotas. É como se eu fosse um troféu: ter a Glória Maria, uma negra famosa, conhecida, como se dissesse ‘a gente demonstra que não é racista, a Glória tá aqui’; mas vai a Glória Maria pisar na bola, e diriam: ‘Tá vendo? Isso é coisa de crioulo’. Esta semana, saiu uma estatística apontando que 71% das vítimas de homicídios são negras. Levei um susto e pensei: até parece o movimento de extermínio de uma raça”.

Ao ser perguntada por que normalmente seus namorados são negros, ela respondeu: “Os homens negros preferem as brancas. O próprio negro se discrimina; para ele acreditar que venceu e tem status, precisa usar os valores brancos, como as suas mulheres, por exemplo. Quanto mais escura a sua pele, mais excluído você é”.

Além de afirmar que suas filhas, Laura, de 8, e Maria, de 9 anos, já sofreram discriminação na escola onde estudam, a apresentadora lembrou um caso curioso sobre a descoberta rica da diferenças. “Quando estive no interior da Sérvia, e fui conversar com uma velhinha, descobri que ela nunca tinha visto um preto na vida; ela não sabia que existia gente diferente dela. Sua alegria quando me descobriu foi inacreditável, percebendo a diferença e que o mundo poderia ser muito mais bonito. Ela não queria mais me deixar ir embora”, disse.

Glória comentou também os casos polêmicos recentes envolvendo o jornalista William Wack e a ministra Luislinda Valois. “A frase não é do William – é do universo. Ter dito uma frase racista não significa que ele especificamente seja racista. Convivi a vida inteira com o William e nunca percebi nele uma demonstração de racismo. Waack simplesmente teve uma reação inconsciente, que expressa o racismo. Chegou a esse ponto: uma reação inconsciente. Esse tipo de coisa é uma piada como fazem com português. Quanto à ministra Luislinda, ela fez o que todos eles fazem: acumular cargos. Ela não pode? Seria a única? É negra e teve a ‘ousadia’ de conseguir ser ministra. Por que nunca se falou isso dos outros? É o que eu falei no início: ‘é coisa de preto’. O erro é sempre negro; o acerto é sempre branco”, encerrou.

Bahia.ba

Veja também: