Lira diz não ser contra governadores ao justificar mudanças no ICMS

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

A sexta-feira (15) do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP), começou com publicações em uma rede social. No Twitter, Lira disse que “seguimos vivendo circunstâncias excepcionais” em referência à aprovação da lei que muda o cálculo da tributação sobre os combustíveis. A proposta determina que o ICMS cobrado em cada estado será calculado com base no preço médio dos combustíveis nos dois anos anteriores.

Segundo Arthur Lira, “a Câmara não está contra os governadores – mas sim a favor dos governados – o povo que nos elegeu”. “Brasileiros que sofrem com a inflação e desemprego e que precisam agora deste apoio -como precisaram ano passado do auxílio emergencial”, continua o presidente na publicação.

Lira encerrou dizendo que “se o problema é o longo prazo, daqui até, periga muita gente não estar aqui pra contar história”. Atualmente o ICMS aplicado nos combustíveis tem como referência o preço médio da gasolina, do diesel e do etanol nos 15 dias anteriores em cada estado.

Ou seja, a cada 15 dias, a base de cálculo muda – e passa a incluir a oscilação recente no preço. Ao ampliar esse período de referência para dois anos, os defensores da medida afirmam que seria possível reduzir a volatilidade nos preços cobrados nos postos. No entanto, a media não agrada boa parte dos governadores, que estimam perda de R$ 24 bilhões se a proposta, que agora está em análise no Senado, for aprovada.

Veja também: