Lula admite inflação e vê como ‘essencial’ baixar preço dos alimentos

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram
LinkedIn

De acordo com uma reportagem do Metrópoles, o presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ressaltou a necessidade de reduzir o preço dos alimentos e produtos básicos, como a energia, para ter “credibilidade” com a população. A afirmação foi dada ao SBT News. Para o chefe do Palácio do Planalto, derrubar os preços é “essencial para que você possa voltar a ter credibilidade junto ao povo brasileiro”. O chefe do Executivo nacional ainda admitiu a alta dos valores “do arroz, do feijão e da energia”.

“A gente vai começar a colher aquilo que nós plantamos. A sociedade vai se dar conta de que as coisas vão melhorar. Para a sociedade estar feliz com o governo, é preciso que a economia esteja crescendo, o salário esteja crescendo e o preço da comida esteja baixando”, afirmou Lula.

O Metrópoles ainda aponta que o mandatário do Brasil afirmou ter alertado aos ministros Fernando Haddad, da Fazenda, e Alexandre Silveira, de Minas e Energia, sobre a necessidade de baixar “o preço daquilo que vai na mesa do povo trabalhador”. A reportagem do Metrópoles também ressalta que mais cedo, o petista se reuniu com o ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, e o presidente da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Edegar Pretto, para tratar da redução dos preços de alimentos e produtos.

“Conversamos sobre o que pode ser feito para reduzir o preço de alguns produtos e alimentos, bem como ações para estimular a produção agrícola. Nosso compromisso é trabalhar para resolver os problemas reais do povo brasileiro”, afirmou Lula no X (antigo Twitter).

O Metrópoles acrescenta que em ano de eleições municipais, o presidente da República busca aproximação e aprovação com setores do agronegócio. Dessa forma, o governo articula um “giro do agro” por locais como Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Tocantins e Rio Grande do Sul. Os compromissos do petista nessas regiões deverá envolver fiscalização de obras e anúncios de investimentos. Além disso, o plano é uma aproximação informal com um “churrasquinho” na Granja do Torto, onde fica a casa de campo da Presidência, após happy hours para aparar arestas com o Congresso.

Veja também: