Música e comoção marcam enterro do ícone do blues Álvaro Assmar

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Sob coro da música Let It Be dos Beatles, o corpo do guitarrista baiano Álvaro Assmar foi enterrado, na tarde desta segunda-feira, 18, no cemitério Jardim da Saudade, em Salvador.

Vítima de infarto fulminante, aos 59 anos, o instrumentista ícone do blues no Brasil deixou a mulher, Adalgisa, e dois filhos: Vítor e o também músico Eric Assmar.

Entusiasta da técnica “slide guitar”, Álvaro Assmar lançou sete CDs e dois DVDs, sendo o sexto disco, The Old Road, indicado à premiação do Grammy Latino do ano de 2014, ao longo dos 32 anos de carreira. O músico tinha planos de lançar o próximo álbum, intitulado Family & Friends, no ano que vem.

Álvaro Assmar também manteve, durante 15 anos, um programa sobre blues na rádio Educadora FM.

O sepultamento reuniu familiares, admiradores, amigos e artistas. O músico Ted Simões, responsável por executar os acordes de Let It Be durante o enterro, destacou o significado desta canção na relação com Álvaro Assmar.

“Ele sempre tocava Let It Be na guitarra quando estávamos nos divertindo”, disse Ted, que participa de uma banda com Eric Assmar, filho de Álvaro.

Recordações

Os bons momentos também fazem parte da lembrança do técnico em som Hélio Mota. Amigo de infância de Álvaro Assmar, ele recordou as oportunidades que tiveram de escutar LPs.

“Eu mostrei a ele o rock and roll, por meio dos discos de Alice Cooper e outras bandas dos anos de 1970”, relatou Hélio.

Emocionados durante o sepultamento do artista, parentes de Álvaro, segundo amigos próximos à família, não estavam em condições de falar com a imprensa.

Fã da obra de Álvaro Assmar, o músico Rafael Breschi lembrou do aprendizado que teve com a personalidade-símbolo do blues baiano. “Ele produziu nosso último CD e sempre foi carinhoso conosco”, finalizou.

Veja também: