‘Não tenho medo de ameaça, estou cumprindo a lei’, diz Ângelo Coronel após advertência do MPE sobre a CPI das Fake News

Advertido pelo Ministério Público Eleitoral (MPE) a encaminhar os documentos sigilosos colhidos pela CPMI das Fake News sob pena de receber um processo, o senador baiano Angelo Coronel (PSD) disse que não se sentiu intimidado a atender a decisão. Ele é o presidente da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito, aberta para investigar, entre outras coisas, a criação e a disseminação de informações falsas sobre as eleições de 2018.

“Eu não sou homem de ter medo de ameaça, não importa de onde parta, e estou cumprindo os ditames da lei. Se a CPI tem documentos sigilosos, eles ficarão sob sigilo. Se eu for processado, procurarei me defender e caberá à Justiça decidir”, disse Coronel, em contato com o Bahia Notícias. Ele consultou a Advocacia do Senado, que ainda nesta segunda-feira (5) deve dar um parecer sobre o caso.

Segundo o Blog de Lauro Jardim, no jornal O Globo, o vice-procurador-geral eleitoral, Renato Brill, disse que a alegação de sigilo para negar o envio dos dados não se aplica ao MPE. Ele quer obter acesso aos documentos para agregá-los à investigação sobre disparo de mensagens falsas em massa pela campanha do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Coronel frisa que não é a primeira vez que o MPE requisita esses documentos. “A CPI tem o mesmo caráter investigativo do Ministério Público, só que nós só vamos entregar todos os resultados das nossas investigações quando for lavrado o resultado final. Enquanto isso, o que é de sigilo será mantido assim”, defende.

Se a Justiça não determinar outra posição, esses documentos vão demorar a vir à tona. Isso porque os trabalhos da comissão foram interrompidos com a suspensão das sessões presenciais por conta da pandemia. Quando ela for retomada, os parlamentares terão ainda 204 dias para ouvir mais testemunhas, colher mais dados e, então, concluir o relatório.

VACINAÇÃO

Autor do projeto de lei que transforma em crime a recusa a tomar a vacina e a propagação de notícias falsas sobre a eficácia dos imunizantes e o desestímulo à vacinação, Coronel contou que seu momento na fila chegou. Com 62 anos, o senador vai tomar a primeira dose de um dos imunizantes contra o coronavírus nesta segunda-feira (5), em Salvador.

BN

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *