PF investiga relação de venda de refinaria com joias dadas a Bolsonaro

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram
LinkedIn

A Polícia Federal decidiu investigar a relação do processo de venda da Refinaria Landulpho Alves, em São Francisco do Conde, na Bahia, pela Petrobras ao fundo Mubadala Capital, sob a gestão do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), com o recebimento, um mês antes, de um estojo de joias, por parte do então presidente brasileiro do sheik Mohammed bin Zayed, dos Emirados Árabes.

Mohammed bin Zayed é um dos donos do fundo de investimentos Mubadala, atual detentora da empresa Acelen, que administra atualmente a refinaria.

À época, a operação de venda da refinaria foi concluída com o pagamento de US$ 1,8 bilhão (R$ 10,1 bilhões). A Acelen assumiu a gestão partir de 1º de dezembro — com a venda, a RLAM passou a se chamar Refinaria de Mataripe.

Veja também: