PF prende 1º general do Exército e aumenta desgaste das Forças Armadas

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram
LinkedIn

O nome do tenente-coronel Mauro Cid tem tomado os noticiários brasileiros e levantado a possibilidade de ser a porta de entrada para punição de nomes ligados às Forças Armadas Brasileiras. Mas nesta semana, mais especificamente na terça-feira (29), um general do Exército foi preso durante uma operação da Polícia Federal.

Agentes da PF bateram à porta de Carlos Alberto Mansur, então secretário da Segurança Pública do Amazonas. Revistaram a casa buscando, além de armas e dinheiro, provas de extorsões a garimpeiros ilegais do estado. Uma arma ilegal foi encontrada e o secretário acabou preso.

Mansur não é um secretário qualquer. Ele, que já tinha visto integrantes de suas cúpulas encarcerados ou acusados de crimes em outros estados, é um general de três estrelas, formado pela Academia Militar das Agulhas Negras (Aman) em 1983. É um oficial general contemporâneo de academia do atual Alto Comando do Exército.

As investigações contra o general começaram a partir de informações de que seu filho, Victor Mansur, estaria envolvido em pagamentos de propinas e roubos de carregamento de ouro. Mansur assumiu a secretaria em 2021, quando o estado sofria um avanço do garimpo ilegal e ainda tinha memória da presença de militares no combate ao crime organizado na América Latina entre os anos de 1980 e 1990.

O caso de Mansur faz lembrar o que aconteceu no México durante esse período. O engajamento dos militares na guerra às drogas financiada por Washington acabou provocando distorções que levaram à contaminação de instituições.

Oficiais de forças especiais estiveram por trás, por exemplo, da criação do Cartel Los Zetas e a agência antidrogas americana chegou a prender o general Salvador Cienfuegos, ex-ministro da Defesa do México que comandava a guerra às drogas do outro lado da fronteira americana durante a gestão do presidente Enrique Peña Nieto. Com a prisão de Cienfuegos, uma crise diplomática foi instaurada e só chegou ao fim em 2021 com a retirada das acusações contra o general.

Metro 1

Veja também: