Podcast discute violência contra comunidades quilombolas na BA

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram
LinkedIn

Nos últimos sete anos, pelo menos 11 quilombolas foram mortos na Bahia, de acordo com um levantamento feito pela Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (Conaq).

O último assassinato registrado no período foi o de Mãe Bernadete Pacífico, ialorixá e líder do quilombo Pitanga dos Palmares, em Simões Filho, na Região Metropolitana de Salvador (RMS). Ela foi morta a tiros em 17 de agosto.

O primeiro caso registrado no levantamento da Coordenação é justamente o do assassinato do filho de Mãe Bernadete, Fábio Gabriel Pacífico dos Santos, que aconteceu em 2017. O homicídio também aconteceu dentro do quilombo Pitanga dos Palmares.

Para entender a onda de violência contra comunidades quilombolas, os editores do g1 Eric Luis Carvalho e Maiana Belo conversaram com o neto da líder quilombola Bernadete Pacífico, Wellington Pacífico, com o advogado do quilombo Pitanga dos Palmares e de outras comunidades da Bahia, David Mendez, e Márcio Lima, coordenador regional do Programa Global das Comunidades da Nossa América Latina do Cáritas Nordeste. No episódio 85 do podcast Eu de Explico:

Veja também: