Recôncavo: A retomada do Enseada foi positiva, mas ficou longe dos bons tempos

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Silvio Ataliba, ligado ao PT e prefeito de Maragogipe nos áureos tempos do estaleiro Enseada do Paraguaçu, diz que a retomada é positiva, a atividade principal, o embarque de minérios, mas muito longe do que era.

— É bom por que ver uma estrutura daquelas sem nenhuma utilização é lamentável, mas em termos de impacto, principalmente na geração de empregos. é muito pouco.

Diz Ataliba que a partir de 2004, quando começou a construir a plataforma PRA-1, o estaleiro abriu o ciclo que chegou ao ápice com 7.100 empregos diretos, mais uma vasta cadeia de serviços em toda a região.

São Roque — O espelho maior do desastre causado pelo fechamento do Enseada, da Odebrecht, em 2014, no rastro da Lava Jato, veio em duas vertentes.

Numa, o desemprego abriu espaço para um subproduto perverso, o tráfico de drogas. Em 2019 já se contabilizava por lá mais de 50 assassinatos de jovens.

Noutra, falência geral. O povoado de São Roque, onde fica o estaleiro, tem 20 hotéis e pousadas, 16 delas fechadas ou com as construções interrompidas. Lá, apesar dos pesares, a esperança renasce.

— Vivemos esse tipo de situação enquanto a Petrobras está construindo balsas, que o Enseada fazia aqui, na Ásia. Dá para entender isso?

Enseada obteve licença definitiva para escoamento de minério em julho deste ano

A licença definitiva para operar como porto no escoamento de minério de ferro foi obtida por parte do complexo naval, industrial e logístico do Estaleiro Enseada. A concessão permite a operação como porto no escoamento de minério de ferro, ampliando os negócios para além do setor naval e industrial.

Emitido pela Antaq, o documento tem validade de 25 anos e prevê que o Enseada armazene e movimente granéis minerais (minério de ferro), cargas gerais e equipamentos de grandes dimensões, a exemplo de torres e pás eólicas, além de ampliar a área do terminal portuário para 740 mil metros quadrados, transformando o ENSEADA em um dos maiores portos em operação do Nordeste.

Levi Vasconcelos/A Tarde

Veja também: