Saída temporária: Geddel e envolvidos em escândalos de corrupção passam Natal na cadeia ou em prisão domiciliar

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Envolvidos em um dos maiores escândalos de corrupção do Brasil vão passar o Natal na cadeia ou em prisão domiciliar, entre eles os empresários Joesley e Wesley Batista e Marcelo Odebrecht, além de políticos como Eduardo Cunha e Paulo Maluf.

Após dois anos, o empresário Marcelo Odebrecht vai poder comer a ceia de Natal em casa. Situação semelhante é do doleiro Lucio Funaro, que na semana passada conseguiu prisão domiciliar.

Já o ex-governador do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho está em uma situação mais confortável. Foi beneficiado pelo presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Gilmar Mendes. Um habeas corpus que deixou livres o ex-governador e sua esposa, Rosinha Matheus, sem tornozeleira, sem restrições.

O ex-ministro Geddel Vieira Lima e o deputado federal Paulo Maluf estão na penitenciária da Papuda. Eles vão passar o Natal apenas com os companheiros de cela.

As empresas que fornecem alimentação aos presos mudaram o cardápio neste domingo e tanto Geddel como Maluf vão comer arroz com passas, tutu de feijão, batata e carne assada. Visitas só serão liberadas na quarta-feira.

O ex-governador do Rio, Sérgio Cabral também passará por situação semelhante. Já sua esposa, Adriana Ancelmo foi beneficiada com prisão domiciliar.

Joesley e Wesley Batista passarão a noite trancados na cela sozinhos.

Eduardo Cunha está no Complexo Médico Penal em Pinhais, sem visitas.

Antonio Palocci também terá o mesmo tratamento.

Ressalta-se que o presidente Michel Temer assinou decreto do indulto de Natal que prevê a redução e até mesmo a extinção da pena. Para condenados por corrupção que já tiverem cumprido um quinto da pena podem passar pela última vez o Natal na cadeia.

O decreto foi criticado por integrantes da Operação Lava Jato que apontaram que o indulto “facilita a concessão de perdão total da pena a condenados por crime de corrupção”.

Informações do programa Fantástico

Veja também: