Santo Amaro: Ex-prefeito Ricardo Machado tem contas rejeitadas pelo TCM

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Tribunal de Contas dos Municípios, nesta quinta-feira (21), rejeitou as contas do ex-prefeito de Santo Amaro, Ricardo Jasson Magalhães Machado do Carmo, referentes ao exercício de 2016, último ano de seu mandato, e determinou que ele devolva aos cofres públicos um total de R$ 279.783,00. O ex-prefeito ainda foi multado em R$15 mil e foi denunciado ao Ministério Público da Bahia para que se apure a prática de crime contra as finanças públicas.

As contas foram rejeitadas porque ele promoveu abertura de créditos adicionais sem recursos disponíveis para suporte das despesas e descumpriu o disposto no artigo 42 da Lei de Responsabilidade Fiscal, ao não deixar em caixa recursos suficientes para pagamento de “restos a pagar”. Durante os dois mandatos, o ex-prefeito teve suas contas rejeitadas por três anos consecutivos, no período de 2011 a 2013.

O parecer técnico, que serviu de base para o voto do conselheiro relator, José Alfredo Rocha Dias, revelou que os recursos deixados em caixa pelo gestor, no montante de R$11.353.610,65, não foram suficientes para quitar as despesas com restos a pagar e de exercícios anteriores, no total de R$12.530.637,54, o que resultou em um saldo negativo de R$1.177.026,89, comprometendo a administração do seu sucessor.

O fato caracteriza grave desequilíbrio fiscal nas contas do município, contrariando o disposto no artigo 42 da LRF, que impede o gestor de contrair, nos dois últimos quadrimestres do seu mandato, obrigações de despesas que não possam ser quitadas integralmente no período ou sem disponibilidade financeira suficiente para fazê-lo no exercício seguinte.

O ex-prefeito também promoveu a abertura de créditos adicionais de forma irregular, vez que não comprovou a existência de superavit financeiro no montante de R$193.000,00 para suporte de tais despesas, fato que, por si só, compromete o mérito das contas.

O relatório técnico ainda registrou a sonegação ao exame do controle externo de processo de dispensa/inexigibilidade de licitação para contratação da empresa Dante e Ramalho Cavalcante – Sociedade de Advogados, no valor de R$1.050.000,00, o não encaminhamento de processo licitatório, no valor de R$74.505,90, e diversos serviços contratados indevidamente por inexigibilidade, no montante total de R$1.368.150,00.

Além disso, a relatoria constatou que em 2016 foram realizados pagamentos nos valores de R$3.110,341,92 e R$7.592.049,64 às empresas RL Derivados de Petróleo e MRC Construções e Serviços, respectivamente, ambas investigadas na operação Adsumus, e que serão analisados separadamente. O tribunal também reconheceu a irregularidade no uso de inexigibilidade para a contratação da empresa Rede Axezeiro de Comunicação e Internet, no montante de R$2.707.764,75, e que tem como sócio um secretário municipal. O ex-prefeito sofreu multa de R$8 mil e teve outra representação encaminhada ao MPBa.

O conselheiro José Alfredo Rocha Dias, além de determinar a formulação de representação ao Ministério Público da Bahia para que se apure a eventual prática de crime contra as finanças públicas, diante do reiterado descumprimento de determinação do TCM para ressarcimento, com recursos municipais, de valores relativos ao Fundeb, determinou a formulação de representação também ao Ministério Público Federal.

Cabe recurso da decisão.

Veja também: