Sérgio Moro pede explicações ao MPF sobre assassinato de investigado da Lava Jato na Bahia

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

O juiz Sérgio Moro pediu nesta sexta-feira (26) explicações ao Ministério Público Federal (MPF) sobre a morte de José Roberto Soares Vieira, assassinado a tiros no dia 18 de janeiro, na Bahia.

Ele respondia a ação penal por corrupção e lavagem de dinheiro e confessou ter ajudado a desviar dinheiro da Transpetro, na Bahia, junto com o ex-diretor da empresa José Antônio de Jesus. Os dois foram alvos da 47ª fase da Operação Lava Jato.

“Não se pode excluir a possibilidade de que o homicídio esteja relacionado a esta ação penal, já que, na fase de investigação, o referido acusado aparentemente confessou seus crimes e revelou crimes de outros”, disse Moro no despacho.

José Roberto Soares Vieira foi vice-prefeito da cidade de Ourolândia, Bahia, entre 2012 e 2016.

47ª fase

José Roberto Soares Vieira foidenunciado na Lava Jato em dezembro de 2017, junto de três pessoas. Batizada de Sothis, a fase da Lava Jato ocorreu em quatro estados: Sergipe, São Paulo, Bahia e Santa Catarina.

Segundo o MPF, as investigações começaram com base em informações de delações premiadas de Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro, e de executivos da NM Engenharia.

O ex-gerente da Transpetro José Antônio de Jesus foi o principal alvo da fase. Ele e seus familiares são suspeitos de negociar o recebimento de R$ 7,5 milhões em propinas pagas pela empresa de engenharia NM em troca de ser favorecida em contratos com a subsidiária da Petrobras.

Em troca da propina, os procuradores dizem que Jesus ajudou a NM Engenharia a firmar contratos que somaram R$ 1,5 bilhão. A propina de Jesus correspondeu a 0,5% desses contratos. Conforme o MPF, a propina recebida por Jesus foi repassada a integrantes do Partido dos Trabalhadores.

Veja também: