Centrão espera moderação no discurso de Bolsonaro após live com mentiras sobre urnas

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Líderes e dirigentes de partidos do centrão e aliados do governo fizeram apelo ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para que modere o tom com relação à existência de fraude nas urnas eletrônicas e a defesa do voto impresso.

Na última quinta-feira (29), em sua tradicional live, o presidente prometeu apresentar provas de fraudes. A ação foi interpretada como o maior ataque ás urnas eletrônicas. Durante a transmissão o próprio Bolsonaro afirmou não ter dados para comprovar a ocorrência de fraudes no sistema (reveja).

De acordo com a Folha, a avaliação dos aliados é que Bolsonaro precisa parar de flertar com ameaças golpistas sob pena de perder mais em popularidade por causa da pecha de radical.

O presidente se comprometeu com congressistas e ministros, inclusive Ciro Nogueira, recém-nomeado chefe para comandar a Casa Civil, a melhorar o discurso.

A live, na qual o mandatário não apresentou provas de fraudes, foi considerada patética por ministros do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e do STF (Supremo Tribunal Federal).

A transmissão ao vivo teria sido ainda pior, disseram aliados de Bolsonaro, não fosse a intervenção do centrão. O objetivo do mandatário, afirmaram ministros, era atacar com mais contundência os integrantes do Supremo.
Líderes partidários aliados do governo no Congresso disseram que o objetivo é buscar junto ao presidente a reformulação do discurso.

A aposta é que Ciro conseguirá convencer Bolsonaro a virar a chave e falar para a população de que é seguro votar e deixar de lado a tese das fraudes nas urnas.

Veja também: