Estaleiro de Maragojipe obtém licença definitiva para escoar minério

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

O complexo naval, industrial e logístico Enseada obteve nesta quarta-feira (07/07) a licença definitiva para operar como porto no escoamento de minério de ferro, ampliando os negócios para além do setor naval e industrial. O ato ocorreu na sede do Ministério da Infraestrutura, em Brasília.

O documento emitido pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) é válido por 25 anos e prevê que o Enseada armazene e movimente granéis minerais (minério de ferro), cargas gerais e equipamentos de grandes dimensões, a exemplo de torres e pás eólicas, além de ampliar a área do terminal portuário para 740 mil metros quadrados, transformando o complexo em um dos maiores portos em operação do Nordeste.

Eficiência operacional 
Localizado em Maragojipe, no Recôncavo Baiano, o Terminal de Uso Privado do Enseada (TUP Enseada) possui águas abrigadas, calado profundo e localização privilegiada, o que garante segurança e eficiência superiores em movimentações de cargas.

O TUP iniciou suas operações em 2020 e em menos de um ano já armazenou e movimentou 308 mil toneladas de minérios oriundos de minas da Bahia. “Foram sete carregamentos de 44 mil toneladas cada realizados com pleno êxito por nossa equipe, o que já nos coloca como o maior porto de minério em operação na Bahia”, revela Mário Moura, diretor de operações do Enseada.

Nos últimos anos, o Enseada passou por um reposicionamento estratégico, ampliando sua atuação para além da vocação naval e industrial. Hoje a empresa baiana oferece soluções integradas de engenharia para projetos navais e offshore, industriais e logísticos-portuários.

Para Maurício Almeida, a empresa mantém sua vocação de construção de projetos offshore e industriais, mas agora também passa a atuar no segmento portuário, tornando-se um player relevante para o setor. A licença marca a conclusão de um longo processo de quase três anos de trabalho com foco na diversificação dos negócios do Enseada, para além do setor de construção naval e offshore.

Veja também: