Morro de São Paulo volta a cobrar tarifa para visitantes

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Menos de um ano depois da decisão do Tribunal de Justiça do Estado (TJ-BA), a Taxa de Proteção Ambiental (TPA) em Morro de São Paulo deverá voltar a ser cobrada. O valor de R$ 15 e R$ 20 é cobrado aos visitantes dos destinos mais procurados do Arquipélago de Tinharé, como Morro, Boipeba, Moreré e Garapuá. Em dezembro, o TJ-BA considerou inconstitucional a cobrança aos visitantes.

Porém, quem pretende ir ao local no próximo verão, já deve ter que pagar a taxa. A tarifa foi instituída através da Lei Complementar 515/2017, aprovada pela Câmara de Vereadores em 22 de Agosto, e publicada no Diário Oficial do Município, na última sexta-feira (15).

A assessoria de imprensa da Prefeitura de Cairu explicou que trata-se de uma nova lei que unifica diversas tarifas, como por exemplo, de visitação a locais do arquipélago, assim como administração dos terminais náuticos. “A nova Lei tem o objetivo de assegurar a manutenção, restauração, e preservação do patrimônio histórico, cultural, ambiental e estrutural do arquipélago, bem como assegurar as condições ambientais e ecológicas do município”.

Segundo a prefeitura, a Tarifa por Uso do Patrimônio do Arquipélago (TUPA) permitirá o turista use os diversos equipamentos públicos municipais, a exemplo dos terminais hidroviários, das praças, monumentos históricos entre eles, a Fortaleza de Tapirandu, a Fonte Grande, o Convento de Santo Antônio, o Farol do Morro de São Paulo, entre outros, e a própria APA Tinharé, que engloba, praias, piscinas naturais, rios e manguezais.

O valor da TUPA pode variar entre R$ 15,00, R$ 17,00 ou R$ 20,00 a depender do fluxo de turistas às ilhas, assim como o aumento de despesas para a manutenção do patrimônio e os impactos ao meio ambiente. A cobrança da tarifa está prevista para começar nos próximos dias, mas ainda não teve data definida.

De acordo com o dvogado Alcides Bulhões, subprocurador no município, a cobrança da tarifa única é respaldada na Constituição Federal, que atribui ao município a manutenção dos bens públicos, e no Código Tributário, que assegura cobranças de tarifas similares, a exemplo dos conhecidos pedágios, como uma forma compartilhada de garantia de tais serviços.

*Bnews

Veja também: