MP considera improcedente denuncia de desvio de vacina em Cruz das Almas e inocenta servidora

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Vera da Saúde foi acusada injustamente pelo prefeito da cidade e seu genro, secretário de saúde

 

A técnica de Enfermagem do município de Cruz das Almas, Vera Assis, foi considerada inocente da acusação de desvio de vacina contra Covid. O Ministério Público da Bahia considerou improcedente a denúncia feita pelo prefeito da cidade, Ednaldo Ribeiro (Republicanos), e por seu genro, o Secretário de Saúde, Sandro Borges.

Na decisão, a 3a Promotoria de Justiça do MP de Cruz das Almas afirma que “em nenhuma hipótese é possível afirmar que a vacina foi desviada” e que a servidora não cometeu crime de impobridade administrativa e não violou os princípios da impessoalidade, legalidade, moralidade e eficiência que regem a administração pública.

“É possível afirmar que a vacina não foi desviada e que a vacina aplicada era imunizante da Hepatite B.

Não houve, portanto, por parte da servidora investigada, qualquer ato contrário à legislação para benefício de terceiros ou descumprimento de regras sanitárias, razão pela qual determino o ARQUIVAMENTO deste procedimento administrativo”, enfatizou, na decisão, o promotor de justiça Adriano Marques.

 

Perseguição política

Filiada ao PT, Vera da Saúde, como é conhecida, é servidora efetiva do município há 26 anos e foi candidata a vereadora contra o grupo do atual prefeito. No dia 24 janeiro, no início da imunização no município, o prefeito e o secretário de saúde acusaram a servidora de desviar a vacina no Lar dos Idosos para aplicar o imunizante Coronavac em Tiago Oliveira dos Santos. Na época, a gestão municipal fez uso político e o caso ganhou forte repercussão na imprensa. A servidora viu sua honra e a presunção de inocência violadas. Exames, contudo, provaram que Tiago não não recebeu a vacina contra covid, mas sim contra hebatite B.

“Exames demostraram que Tiago Oliveira dos Santos não estava imunizado pela vacina Coronavac e estava imunizado contra a hepatite B”, afirmou o promotor de Justiça.

Vera Assis comemorou a decisão da Promotoria de Justiça. Ela recorda que, desde que foi acusada injustamente, há 7 meses, sua vida se transformou na busca incessante por justiça. O caso em Cruz das Almas foi considerado perseguição política. “Foram noites sem dormir, choro, depressão e tristeza por tal injustiça e acusação irresponsável”, afirmou Vera. “Hoje celebro, enfim, a justiça e busco reparação, reparação para minha honra, para minha imagem, pois está comprovado que sou inocente e fui vítima de perseguição política e de uma grande farsa, armada por quem não tem compromisso com a justiça e a verdade”, concluiu Vera da Saúde.

 

 

Veja também: