Oito cidades baianas terão campanha de vacinação contra febre amarela

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Bahia, São Paulo e Rio de Janeiro são os três estados que receberão a campanha de vacinação contra a febre amarela entre fevereiro e março deste ano, que será aplicada em doses fracionadas e padrão. Nos oito municípios baianos que serão contemplados, entre 76 definidos na ação da União em parceria com os governos estaduais, a estratégia do Ministério da Saúde é vacinar 3.362,802 pessoas de 19 de fevereiro a 3 de março, um público que será dividido entre os que receberão a dose padrão (813.668) e a fracionada (2.549.134).

No total, 19,7 milhões de pessoas desses municípios nos três estados deverão ser vacinadas na campanha, sendo 15 milhões com a dose fracionada e outras 4,7 milhões com a dose padrão.

Como explicou o ministério da Saúde Ricardo Barros, nesta terça-feira, 9, em coletiva de imprensa junto ao secretário de Saúde da Bahia, Fábio Villas-Boas, e os titulares das pastas em São Paulo e Rio de Janeiro, a campanha, de “caráter excepcional”, será realizada apenas em localidades com evidência de circulação do vírus (caso humano, epizootia em primatas não humanos ou vetores infectados) e com risco elevado de transmissão.

Além da capital, Salvador, os municípios baianos que receberão a campanha são Camaçari, Candeias, Itaparica, Lauro de Freitas, Mata de São João, São Francisco do Conde e Vera Cruz. O Dia D está agendado para 24 de fevereiro.

Segundo levantamento do Ministério, no período de 1º de julho de 2017 a 8 de janeiro deste ano, foram 11 casos notificados na Bahia, sendo seis descartados e cinco ainda em investigação. O estado, de acordo com dados da pasta, é o que tem mais notificações no Nordeste e o que está 8º lugar entre todas as regiões do Brasil.

Na coletiva, o ministro explicou que a dose padrão da vacina protege uma pessoa por toda a vida, enquanto a fracionada tem validade de ao menos oito anos. “A dose fracionada, até o presente momento, tem mostrado exatamente a mesma capacidade de imunização que a dose integral”, diz Barros, que reforçou a importância da campanha, que visa evitar a expansão do vírus para áreas próximas de onde há circulação atualmente.

A vacinação é recomendada para crianças de 9 meses a menores de 2 anos de idade, além de gestantes, viajantes internacionais (com apresentação do comprovante de viagem no ato da vacinação) e pessoas com condições clínicas especiais (HIV/AIDS; após término de tratamento com quimioterapia; doenças hematológicas, entre outras) após avaliação do serviço de saúde, assim como idosos, que também dependem de avaliação médica para receber a dose.

Veja também: