Santo Amaro: Prefeitura descobre fraude que pretendia desqualificar processo de licitação

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Documentos foram falsificados pelos criminosos

A Prefeitura de Santo Amaro, através da Copel (Comissão Permanente de Licitação), descobriu uma tentativa de desqualificar o processo de licitação para a contratação de prestação de serviços de locação de veículos (Pregão Eletrônico nº 038/2021).

A Procuradoria Jurídica do Município irá adotar as medidas legais perante o Ministério Público e à Polícia Federal para que sejam tomadas as medidas cabíveis. O processo licitatório prossegue normalmente.

 

Entenda o caso

Após a publicação do Edital do Pregão Eletrônico mencionado, foi protocolado junto à Secretaria de Administração um pedido de impugnação do edital pela empresa ENORAN SERVIÇOS E COMÉRCIO LTDA, sendo anexada uma suposta queixa crime carimbada por um suposto delegado da Polícia Federal. “Nos provocou desconfiança quanto à veracidade dos referidos documentos, dada à redação tão mal elaborada, denunciando, flagrantemente, que o autor é uma pessoa de baixa escolaridade, beirando o analfabetismo. Observamos, ainda que, a suposta queixa junto à Polícia Federal não guardava nenhuma característica de um documento formal”, declarou Susana Sobreira, diretora de Compras Municipais.

A empresa ENORAN SERVIÇOS E COMÉRCIO LTDA foi procurada pela COPEL e confirmou que foi vítima de fraude. O responsável pela empresa, o sócio administrador Marco Cerqueira de Oliveira, emitiu uma nota de esclarecimento desmentindo o pedido de impugnação e a suposta queixa crime e irá prestar queixa crime para que o fato seja investigado.

 

Fake news

Ainda não se descobriu quem é o autor da fraude. A ação fraudulenta de impugnação foi disseminada nas redes sociais de Santo Amaro como fake news. Na sessão de segunda-feira (08), o vereador Nelson da Pesca, do PSDB, utilizou os microfones da Câmara de Vereadores para divulgar a falsa denúncia. “Não sabemos ainda quem está por trás disso, mas, por conta da lisura do processo, provavelmente é alguém que está se sentido prejudicado ou quer desqualificar a gestão através da licitação”, afirma Susana.

“Nós, servidores e servidoras municipais, responsáveis pelos processos licitatórios, afirmamos o nosso compromisso com a ética, a lisura e a moralidade com as quais exercemos nossas funções e conduzimos todos os processos administrativos adstritos ao ofício que exercemos”, desabafou a diretora.

Veja também: