Secretaria de educação afirma que alunos e professores não vacinados e com comorbidades poderão apresentar atestados

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Na quarta-feira (14), o governador Rui Costa afirmou em entrevista, que os professores que não retornarem às salas de aula a partir do dia 26 de julho terão o salário cortado. Declaração aconteceu após o posicionamento do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia, contrário à volta às aulas. Quando questionado sobre a situação dos profissionais que sofrem de alguma comorbidade em coletiva concedida à imprensa, na quarta-feira, o Secretário da Educação do estado, Jerônimo Rodrigues, garantiu que o cuidado será mantido.

“Agora nas atividades remotas já existe esse respeito e cuidado com esses professores com comorbidades. Mesmo entendendo que a grande maioria desse público já foi vacinada, nós continuaremos com esse cuidado. Nós veremos com as unidades que têm professores com comorbidades para continuar respeitando o cuidado com esses profissionais. Com a apresentação do atestado, o profissional vai estar no direito dele”, afirmou.

De acordo com dados levantados pela cobertura vacinal da Covid-19 no estado da Bahia, feita pela Secretaria de Saúde estadual (Sesab), até a manhã desta quarta-feira (14), cerca de 26.539 profissionais da educação tomaram, no mínimo, a primeira dose da vacina contra a doença.

Veja também: