VLI e Bamin fecham acordo para a movimentação de minério de ferro

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

A  VLI, companhia de soluções logísticas que integra terminais, ferrovias e portos, e a Bamin assinaram um contrato para garantir o fluxo de minério de ferro da Mina de Caetité, no interior do estado da Bahia, até o Porto TUP Enseada do Paraguaçu, litoral baiano, por onde o insumo será exportado. A operação teve início no último mês de julho e a movimentação estimada é de 490 mil toneladas ao longo de 2021.

 

“Este é um passo importante para viabilizar muitos projetos minerais existentes na Bahia, estado que já é um dos maiores produtores minerais do país em valores totais. Tenho convicção de que esta parceria contribuirá para o crescimento do setor mineral baiano e o avanço do transporte ferroviário da VLI no estado por meio da Ferrovia Centro-Atlântica”, afirma o gerente-geral comercial de Siderurgia, Construção e Industrializados da VLI, Asley Ribeiro.

 

Para viabilizar a operação as companhias informam que estão aplicando inicialmente R$ 35,8 milhões. Entre as destinações dos recursos estão o investimento em material rodante, a reativação do terminal ferroviário no município de Licínio de Almeida (BA) e a construção de um terminal de transbordo ferroviário e rodoviário em Castro Alves (BA), onde será realizada a descarga do minério de ferro dos vagões e o carregamento dos caminhões que seguirão até o porto.

 

Projeto

Desde agosto de 2020, já vem sendo realizada a operação de escoamento de minério de ferro a partir do terminal da Bamin em Licínio de Almeida com os vagões seguindo até Minas Gerais pela Ferrovia Centro-Atlântica (FCA). Neste caso, com o insumo destinado ao consumo pelo mercado interno. “Este novo fluxo a ser movimentado no estado da Bahia reforça a relevância da VLI no segmento da mineração e a importância da Ferrovia Centro-Atlântica (FCA) para a região”, reforça Ribeiro.

 

Com o início das operações de comércio exterior, a Bamin passa a ser um player global na produção e comercialização de minério de ferro. O produto que está sendo exportado é classificado como DSO 65, que o qualifica na categoria premium, com baixo índice de contaminantes.

 

Até o final de 2021 estão previstos pelo menos 11 carregamentos para o mercado consumidor da Europa e da Ásia. Há um novo embarque previsto para este mês de agosto.

Veja também: